O Crânio de Sealand

No ano de 2007, em Olstykke, Dinamarca um grupo de trabalhadores estava substituindo envelhecidos canos de esgoto quando encontraram um crânio.

A princípio, pensaram ser de um cavalo. A identificação se fortalecia, pois um antigo proprietário do imóvel era açougueiro e foram encontrados ossos de vários animais enterrados na propriedade. A descoberta, não despertou interesse até 2010, quando o crânio foi analisado na Faculdade de Medicina Veterinária da Dinamarca. Os especialistas, não conseguiram distinguir a que espécie o crânio pertencia. Se assemelhando a um mamífero, não poderia ser classificado como tal, por “algumas características”. O estado de conservação do crânio e a ausência de outras partes do corpo da criatura levantaram suspeitas.

Por quanto tempo que esteve enterrado?

O crânio foi encaminhado para o Instituto Niels Bohr, em Copenhague. Assim como os colegas veterinários, os cientistas não foram capazes de fornecer detalhes sobre o crânio. A descoberta feita no Instituto, foi a datação por carbono 14 estimando a vida do ser desconhecido, entre os anos de 1200 e 1280 D. C.. Esse fato eliminou a possibilidade de uma fraude.

Moradores de Olstykke e das aldeias vizinhas relatam que desde tempos muito antigos, um membro da Ordem da Luz Pegasus era morador local e protetor de itens, dispositivos emissores de uma luz fantástica e um crânio.

Pouco se sabe sobre a Ordem da Luz Pegasus.

Fundada no ano de 1350, possivelmente entre os seus membros, estiveram os ilustres Shakespeare, HG Wells e Thomas Jefferson.